Cargando datos.

Sereia Iara





A Sereia Brasileira, atende pelo nome de Iara e vive no fundo os rios, à sombra das florestas virgens. Conta a lenda amazônica que uma noite um índio sonhou com uma bela mulher de cabelos loiros, olhos azuis e pele muito clara. Tal fada estava à entrada de um imenso castelo de cristal recoberto de ouro e safiras de onde vinha uma música celestial. O jovem apaixonou-se à primeira vista e ouviu a linda mulher lhe propor amor eterno. Um dia navegando pelo rio, o índio viu formar-se sobre as águas uma choupana e, por detrás da janela, apareceu a mulher de seus sonhos que lhe sorria. Apaixonado e enfeitiçado foi até a choupana que flutuava sobre as águas. O pai do índio pode ver que o corpo da mulher tinha uma cauda, igual a de um peixe, e que, agarrando seu filho, se jogou na água, mergulhando para nunca mais voltar.

Alguns indígenas e caboclos juram já ter visto a Iara, como passou a ser chamada. em muitos rios e igarapés. A crença neste mito é tão grande, que, pelos lugares em que mora a Iara, segundo a tradição, ninguém tem coragem de passar em determinada hora da tarde. Em algumas ocasiões, comenta-se, ela mostra-se com pernas para logo em seguida transformar-se em sereia. É nesta forma que atrai suas vítimas. Para livrar-se do poder de sedução de Iara, aconselham os indígenas, deve-se comer muito alho ou esfregá-lo por todo o corpo.

Numerosas são as lendas em torno de Iara, seus encantamentos e artimanhas. É o mito que mais inspirou poetas brasileiros. José de Alencar, por exemplo, incluiu no romance "O Troco de Ipê" um conto sobre a mãe-d'água, em que figura um palácio de ouro e de brilhantes no fundo do mar.




O simbolismo mais conhecido da sereia é o da sedução mortal. Com toda certeza, ela é uma tentadora (" As asa da sereia são o amor de uma mulher, que está pronta a dar e a retomar", escreve Pierre de Beauvais). Mas a paixão inflamável que ela inspira é perigosa, porque provém do sonho e do inconsciente, e por isso é sonho insensato, fantasma irreal. Para preservar-se da paixão ("o amor é cego!"), é necessário, como Ulisses agarra-se à dura realidade do mastro. Sob a influência egípcia, na qual a alma do morto era representada na forma de pássaro com cabeça humana, a sereia se tornou a representação simbólica da alma do morto que falhou em seu destino e transformou-se em vampiro devorador


Redactado por Juan

Juan, miembro del "Club de los conocedores" y socio fundador del recordado "clan de los pervertidos" Estudios en Derecho por Universidad San Martín de Porres; su meta en esta vida es ser PornStar

2 comentarios; pon el tuyo! y se feliz:

Ester dijo...

Mosarella..
Me encantó tu blog!
Hasta luegoo..
Ester

Anónimo dijo...

iara tem varias historias mais eu quero a mais conhecida pelo povo para amostrar aos meus alunos

Publicar un comentario

Dejame tu mensaje y se acabara la crisis